Algumas dicas para trabalhar em equipe

0
Elizabeth H. de Oliveira

Jack Moreh/Freerange Stock

Muito se tem falado sobre o valor do trabalho em equipe para o alcance de resultados cada vez mais produtivos, bem como na sedimentação de clima organizacional que favoreça espaços à criação e à inovação. Porém, a convivência diária requer de cada indivíduo disposição interior para saber lidar com as diferenças e conciliar interesses, propósitos e necessidades.

Nos ambientes de trabalho, palco de disputas e descobertas, é muito comum o choque de opiniões, afinal, cada pessoa traz consigo valores, experiências e expectativas distintas.

Por isso, manter bom nível de relacionamento interpessoal exige disciplina e alguns cuidados para vencer os desafios cotidianos. Na arte do bom relacionamento interpessoal algumas dicas são importantes. Vejamos:

Seja paciente: Não é fácil conciliar opiniões. Exponha seu ponto de vista com moderação. Nem sempre sua opinião será a correta ou a melhor.

Esteja aberto para novas ideias: Aceitar o novo e a ideia de outras pessoas são passos importantíssimos para o alcance de bons resultados e aprendizados.

Saiba dividir: Compartilhar ideias, responsabilidades e informações faz com que a tarefa seja mais fácil de ser resolvida.

Seja participativo: A solidariedade, a ajuda, a generosidade, o interesse pela necessidade do outro aquece as relações e dá força nos momentos que tudo parece difícil.

Respeite e aprenda com as diferenças. Cada pessoa é única, singular, trazendo consigo experiências, talentos e valores que quando compartilhados ampliam o conhecimento.

Dialogue: Ninguém tem “bola de cristal” para advinhar o que o você pensa ou precisa. Diga o que você sente, exponha com clareza suas necessidades.

Cuidado com a crítica. Mesmo que necessária, geralmente provoca desastres irreparáveis. As críticas devem ser feitas no campo das ideias de maneira tornar o ambiente mais construtivo oportunizando o crescimento do outro.

Avalie e avalie-se: Não aja precipitadamente. Avalie as possibilidades. Não faça pré-julgamentos. Reconheça seus pontos fortes, identifique os pontos frágeis. Veja no que precisa melhorar, aprimorar. Se necessário, recomeçar.

Elizabeth H. de Oliveira Historiadora e Pedagoga. Pós-Graduada em Pedagogia Empresarial e Gestão de Pessoal. MBA em Gestão Administrativa. Consultoria e Palestrante.

mais artigos sobre Comportamento

 


Comments are closed.